Inevitável não pensar no bordão muito utilizado pela querida Rita Lobo ao falar dessa degustação que fiz em casa na última semana….

Tudo começou com uma amiga que passou um período em Budapeste a trabalho e provou vários vinhos. Entre tantos, resolveu trazer um que muito a surpreendeu pelos aromas e que ela tinha certeza que eu não havia provado.

A partir daí passamos a pensar qual outro rótulo poderíamos provar, não para comparar, mas porque uma só garrafa não seria suficiente para o jantar.

Outra amiga sugeriu um vinho romeno que comprou há algum tempo e que a atraiu pela história: quem fez o vinho foi Radu, o príncipe da Romênia e eu também não conhecia a uva com que era elaborado…

Maravilha! Decididos os vinhos… E o prato?? Iniciemos as pesquisas…Goulash foi uma das opções, um assado cheio de condimentos a outra (tudo depois de ler e reler sobre as características dos vinhos e das uvas com que eram elaborados). Meu maior medo: Nunca fiz os pratos, e se ficassem horríveis e terminássemos a noite em pizza?? Foi ai que uma das amigas falou: E um picadinho?? Bingo!! Desgourmetizando em 3,2,1….

Preparei um picadinho meio a olho, conversando com minha mãe e com a receita que a própria Rita Lobo ensinou na televisão. Um arroz caprichado e uma farofa com amêndoas e pimenta dedo de moça fresca para acompanhar…

O resultado?? Algo tão trivial, com vinhos tão diferentes e uma combinação harmoniosa, perfeita e agradável.

O jantar era com gente muito próxima e querida e a comfort food serviu para deixar o clima ainda mais gostoso.

E os vinhos? Sensacionais!

 

 
 
Mocus Turan, safra 2013, produtor: Losonci Balint: Não conhecia essa uva, mas fiquei impressionada com o nariz delicado e doce e a potência em boca. Aromas de tâmara (daquela que a gente traz de viagem e fica a cada dia mais gostosa), corpo médio e muita persistência. Na boca um toque de frutas negras e uma acidez envolvente.
 
 
 
 Principele, Feteasca Neagra, safra 2011, Romenia: Diferente de tudo que já havia provado. Apesar do corpo leve (ainda mais leve do que do húngaro), na boca era quase mastigável. A princípio achei um pouco ácido, mas com a comida ficou perfeito. Foi decantado por cerca de 2 horas.

E assim nasceu mais uma degustação desgourmetizada….

One Reply to “Desgourmetiza, bem! Harmonizando vinhos húngaros e romenos com umpicadinho brasileiríssimo.”

Comments are closed.