Degustei esse vinho que comprei na Argentina há algum tempo com a informação de que seria um icewine (feito com uvas congeladas naturalmente), mas ao estudá-lo antes de degustá-lo descobri que na verdade trata-se de um vinho de Colheita Tardia cujo congelamento das uvas é realizado após a colheita para, com o derretimento dos cristais de gelo, obter-se maior concentração.

Isso me lembrou a técnica utilizada no vinho FLP elaborado por Filipa e Luís Pato e que também consiste em congelar as uvas em laboratório para posterior elaboração. O FLP foi chamado pela dupla de vinho molecular e é muito interessante (postei ele aqui há um bom tempo). Não está disponível no Brasil.

Mas vamos ao Las Perdices… Belíssima cor vermelha rubi, nariz muito pronunciado de cerejas e groselhas. Na boca faltou um pouquinho de acidez, mas seu sabor bem marcante o deixou agradabilíssimo.

Harmonizamos com bolo recheado com morangos e creme patisserie e ficou muito bom.

Me arrependi apenas por não ter tentado uma harmonização por contraste com um queijo azul, pois penso que a acidez poderia aparecer mais com esse dueto.

Sobre harmonização com doces: A regra mais comum é de harmonizar com um vinho na mesma intensidade de dulçor que a sobremesa, mas aqui também vale contrastar e servi-lo acompanhado de um vinho com alta acidez, como um espumante nature ou brut. Eu particularmente adoro!

A Wine importa os vinhos da Las Perdices, mas esse rótulo em especial não está disponível. Fica a dica para quem estiver indo para a Argentina;

Ah! E esse bolo lindo foi feito por minha amiga @liciasayuri !