MINHA opinião sobre as ideias extremistas acerca dos vinhos naturais, orgânicos ou bio:
Vinho é feito de experimentação, de conhecimentos milenares, de tecnologia e de PESSOAS com experiências diversas pelo que dizer que apenas uma “escola” de vinificação é correta é burrice, é desvalorizar o vinho como um todo.

Com o crescimento dos “naturebas” vemos muita besteira, muitos “modinhas” e pouquíssima consistência.

Falta estudo, falta bom senso e falta ética a muitos que escrevem sobre o assunto. Sobram interesses financeiros.

Deixo claro: Adoro o conceito dos vinhos livres, com mínima intervenção, orgânicos, bio e tudo mais que traga identidade, que tenha um pouco de história. Compro (pago caro), apóio e tenho amigos que produzem.

Mas também adoro um vinho bem feito, de produtores tradicionais… Globalizados como dizem alguns… Sei bem o quanto esses produtores também trabalham pelo vinho, o quanto vivem sonhos e pesadelos ano a ano (ainda mais falando de Brasil). Quem trabalha duro pelo vinho (seja orgânico ou não, seja industrializado ou artesanal) merece respeito.

Vinho não é ciência exata, não precisa de doutrinadores xiitas. Não há mocinho ou bandido.

Se há necessidade de impor (de modo grotesco muitas vezes) uma ideia, tem algo estranho nela… Beba o que te der vontade, o que puder pagar e o que sua curiosidade mandar.