Tem Ovo e Leite no meu Vinho?

Posted on Posted in Publicações

Calma,não é o que você está pensando….

A ideia para esse post nasceu há alguns meses quando uma amiga viu em um contra rótulo de um vinho a informação: “Podem haver traços de ovo e leite no produto”. COMO ASSIM??   Polêmica instaurada no grupo, a primeira suspeita era de uma tradução nada a ver que teria confundido a informação de fermentação malolática com a existência de leite o que descartamos em seguida com a ajuda da nossa amiga e dona da parada toda quando o assunto é alergia alimentar Dra. Ana Paula Juliani.

Mas vamos aos fatos….

Desde 2015 a ANVISA determinou através da RDC 26/15 (em vigor desde julho de 2016) que qualquer produto industrializado que tenha possíveis agentes alergênicos (dentre eles ovos e leite) o declarem no rótulo. E porque isso também consta dos vinhos?  Dentro do processo de vinificação e conforme a escolha dos enólogos podem ser utilizados materiais de origem orgânica ou animal para realização do processo de colagem e clarificação dos vinhos visando retirar os pequenos resíduos que causam turbidez.

Os mais utilizados são a caseína (proteína do leite) e a albumina (proteína do ovo).  O processo não costuma deixar resíduos, mas pode acontecer em percentuais mínimos e por isso a informação – caso utilizadas tais substâncias – é obrigatória.  Mas e aí? Será que você, adulto, pode sofrer com os efeitos da alergia alimentar a ovo e leite em razão de eventuais resíduos??

Pois a Dra Ana Paula esclareceu:  “Existem pacientes alérgicos que reagem a mínimas quantidades de antígeno proteico. São a exceção, não a regra, mas existem. Outra coisa é o fato de que alergia a ovo é muito rara em adultos e mais frequente em crianças, a não ser que o indivíduo já seja alérgico a ovo desde a infância. Trata-se de outra exceção, não regra, mas pode existir.”

Quanto à intolerância à lactose (o açúcar do leite), importante não confundir com alergia ao leite: A alergia é sempre às proteínas e é comum na infância. Iniciar com alergia ao leite na vida adulta é extremamente raro.  A intolerância à lactose, por sua vez, é irrelevante no caso do vinho, pois a substância utilizada na clarificação é a caseína (proteína) e, em caso de presença ínfima de lactose, dificilmente gerará algum sintoma.  Como a quantidade é costumeiramente pequena – caso exista – é importante que o consumo seja observado e, se ocorrerem sintomas da alergia já diagnosticada, recomenda-se suspender o consumo e procurar auxílio médico.

Mas não há razão para alarde! E, para quem se sentir desconfortável com a possível presença desses resíduos, há a opção dos vinhos veganos, onde os processos de “limpeza” são realizados sem utilização de itens de origem animal.

  Ah! E não vale colocar nos pobres ovos e leites a culpa pelos excessos, hein?!

Muito obrigada à minha amiga e médica Ana Paula Juliani bem como ao enólogo e também amigo Eduardo Angheben pela colaboração.

Até a próxima taça, Keli Bergamo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *