Hoje tive a oportunidade de provar mais um rótulo libanês, o Oumsiyat Jaspe 2010, elaborado com Syrah, Cabernet Sauvignon, Cinsault e Carignan e resolvi pesquisar um pouco sobre a produção desse país.

Embora a vitivinicultura do Líbano não seja tão conhecida pelo mundo, sua produção é uma das mais antigas da humanidade.

Na última década a indústria vitivinícola teve um grande boom e passou a investir em conhecimento e produção de qualidade (voltada especialmente ao mercado externo), o que levou a um aumento de 3 vinícolas na década de 90 para quase 50 em meados de 2012 (Fonte: Atlas do Vinho de Hugh Johnson), a maioria concentrada no Vale do Bekaa e sempre trabalhando com uvas estrangeiras, já que não há registros de uvas autóctones na área.

De clima quente e seco, seus vinhos costumam ter grande intensidade de fruta (alguns os consideram fortes demais) mas com pouca persistência. Foi exatamente o que notei nesse rótulo: Aromas de figo, flores vermelhas e aniz, corpo médio e um final curto.

Um vinho agradável e diferente. Harmoniza com queijos duros, carne vermelha mas sem grande intensidade de temperos. Ganhei de presente e ele era importado pela Sociedade da Mesa.

Para quem deseja conhecer outros bons rótulos libaneses recomendo os da Ixsir, importados pela Grand Cru e de excepcional qualidade.