O Marsala, fortificado siciliano nascido em meados de 1.770, acaba ficando em segundo plano quando se fala em vinhos nessa categoria. O nome Marsala é derivado da expressão árabe Marsah-el-Allah, que significa “Portão de Deus”.

Marsala pode ser feito a partir de qualquer uma das 10 variedades de uva, incluindo Grillo, Inzolia, Catarratto Bianco Comune e Catarratto Bianco Lucido. Outras uvas são as especialidades sicilianas Pignatello, Nerello Mascalese e Damaschino e a única variedade da lista a ser cultivada fora da Sicília, Nero d’Avola. Este último, juntamente com Pignatello e Nerello Mascalese, dão cor aos vinhos Rubino Marsala, que devem ser produzidos a partir de pelo menos 70% dessas variedades.

Há ótimas opções no mercado (o da foto é da Decanter ) e que valem a prova (e vão muito além de um ingrediente culinário).

Para escolher:

Existem 5 categorias relacionadas ao envelhecimento para os vinhos: fino (1 ano), superiore (2 anos), superiore riserva (4 anos), vergine / soleras (5 anos) e vergine / solera stravecchio (10 anos).

Estas são complementadas por menções oficiais em torno da cor e do teor de açúcar dos vinhos: oro, ambra e rubino descrevem a tonalidade dourada, âmbar e rubi dos vinhos; secco (seco, a 40g / l), semisecco (meio doce, a 40-100g / l) e dolce (doce, mais de 100g / l) indicam a quantidade de açúcar (residual) no produto acabado.

Até a próxima taça, Keli Bergamo