A resposta automática quando pensamos em carne vermelha é sempre o vinho tinto, não é?
Mas o vinho, uma bebida viva e de infinitas nuances, não pode ser tratado com tanta simplicidade e merece um capítulo a parte quando falamos nessas combinações.
Ok, concordo. Para não errar absurdamente essa regra vale. Mas o efeito surpresa dá um gostinho a mais na combinação…
Busque vinhos não tão ácidos e jovens (como geralmente são os de sauvignon blanc), mas que apresentem corpo e textura condizentes com o do prato (lembrando que carnes vermelhas, por mais macias que sejam, são mais fibrosas e pedem um vinho com corpo suficiente para acompanhá-las).
Os chardonnays de Novo Mundo, que passam por madeira, são bons parceiros nos exemplos abaixo:
Em preparações com manteiga, creme de leite, queijos derretidos ou qualquer ingrediente que deixe a textura da comida espessa, como um strogonoff, por exemplo.
Quando o prato reproduzir os aromas do vinho, ou se o método de cozimento combinar com madeira, como grelhar ou defumar.
O vinho da foto, um Chardonnay com envelhecimento em madeira por 8 meses, foi a pedida de hoje para o Filé do Moraes.
Vinho: Luiz Argenta Cave 2019, Brasil. A venda na @vyno.brasil !
Até a próxima taça, Keli Bergamo