Barolos – Safra 2017

por Keli Bergamo

Antonio Galloni publicou suas impressões sobre a safra de 2017 em Barolo e, para os fãs destes vinhos, seguem algumas informações:

O interesse por Barolo e Piemonte nunca foi tão alto, e 2017 pode ser um ótimo investimento. Não é uma repetição de outras safras quentes com pungência que lhe tira um pouco do brilho.

Os 2017 são Barolos de peso médio com a estrutura clássica de Nebbiolo. Muitas vezes são intensamente aromáticos. Ácidos e taninos são proeminentes em muitos vinhos. Os perfis de frutas estão maduros, frequentemente com tons vivos, mas não cozidos ou maduros demais. Talvez o mais importante, os Barolos 2017 são muito fiéis aos seus respectivos terroirs, o que é sempre uma preocupação com safras marcadas por tempo quente.

Se provado às cegas, o palpite dele é que poucas pessoas identificariam os vinhos como vindos de um ambiente quente e muito ano seco. A questão é: por quê?

Em primeiro lugar, os produtores aprenderam muito sobre como lidar com as estações quentes de cultivo desde 2003. Os produtores são simplesmente melhores em lidando com esses desafios do que naquela época. Em 2017, isso significou remover o mínimo possível e deixar um pouco mais de safra na videira, o que ajuda a retardar o amadurecimento e mantenha os ácidos vivazes. Vários produtores também falaram dos efeitos positivos da rede contra granizo na proteção das frutas da luz solar intensa. A rede de granizo não é muito usada no Piemonte, mas isso vai provável mudança daqui para frente.

As temperaturas em março subiram para bem acima da média, levando a um início precoce. Dos últimos 20 anos, apenas 2012 viu um março mais quente. Em 2017, as vinhas estavam excepcionalmente avançadas e, portanto, em um estado vulnerável quando a geada brutal chegou em meados de abril, logo após o feriado da Páscoa.  De maio até o final de agosto, as temperaturas foram mais altas do que a média, enquanto as chuvas foram bem abaixo do normal. É importante ressaltar, porém, que as temperaturas noturnas moderaram um elemento importante que separa 2017 de anos implacavelmente quentes como 2003. O estresse por calor foi um grande desafio, especialmente em vinhas mais jovens. Videiras mais velhas, aquelas com a raiz mais profunda, foram capazes de suportar melhor os rigores do ano.

Um toque de chuva em setembro foi perfeitamente sincronizado para refrescar as vinhas ressecadas de Nebbiolo. “Choveu um pouco no início de setembro, justamente quando trouxemos o último Dolcetto,” Maria Teresa Mascarello explicou. “Foi a” primeira chuva que vimos em 3-4 meses. Os solos literalmente pareciam pó quando a chuva caiu. As temperaturas começaram a cair logo depois disso. ”

A colheita começou em média em 25 de setembro, duas a três semanas antes do normal em um ano mais típico. O desafio para os produtores foi equilibrar a maturação do açúcar com a os fenólicos das películas e sementes. Em safras quentes, o medo é de que os açúcares cheguem a níveis inaceitavelmente altos e isso, em última análise, leva a escolhas de colheita para muitos produtores. Quando isso acontece os taninos muitas vezes não estão totalmente maduros. Esse é o caso de 2017. A título de comparação, os anos de 2016, mesmo sendo jovens e estruturados, se beneficiam de taninos totalmente maduros. As diferenças texturais entre as duas safras são totalmente evidentes.

Estruturalmente, os Barolos 2017 são mais leves do que os de 2016. O calor excessivo resultou em um amadurecimento irregular e vinhos com menos profundidade e estrutura do que no ano anterior. A percepção da acidez e o tanino nos anos de 2017 costumam ser altos, precisamente porque os anos de 2017 não têm a riqueza do meio do palato e a profundidade da fruta dos anos de 2016. Com poucas exceções, os Barolos 2017 não são vinhos ricos ou opulentos, como os de 2003, 2007 ou 2011. Em vez disso, eles são Barolos nervosos e de peso médio que lembram os anos 2015, com taninos vivos que lembram os anos 2005, e, em na maioria dos casos, uma grande quantidade de expressão do terroir, o que remete a safras mais clássicas. Ele define os taninos como suaves e polidos que ficam dentro de um caroço de frutas e não do lado de fora. Por último, é importante notar que enquanto os Barolos 2017 geralmente não parecem vinhos de um ano quente, o mesmo não acontece com os Dolcettos e Barberas, que são decididamente ricos e um tanto quanto enjoativos. Dolcetto e Barbera amadurecem mais cedo do que Nebbiolo e não se beneficiaram tanto (ou nada) da chuva e do frio do início de setembro que favoreceu esta.

Conclusão:  Há muito o que descobrir nos Barolos de 2017. Galloni aposta eles serão relativamente fáceis de encontrar. É uma ótima safra para pegar algumas garrafas extras de seu Barolos favorito, algo que não seria possível em anos mais badalados.

 

 

Deixe um comentário

Posts relacionados