Vinhos Naturais. Sim, não ou tanto faz??

por Keli Bergamo
Esse assunto é a modinha dos vinhos e vem causando discussões ferrenhas entre apreciadores, jornalistas especializados e todos os envolvidos, o que cansa até o mais paciente dos degustadores.
 
Por isso meu voto é no “tanto faz” porque, sinceramente, é muito difícil saber se o que se intitula “natural” o é exatamente assim. Eu quero é vinho bom, com preço compatível ao que oferece e elaborado por gente que ama o que faz, usando ou não SO2.
 
Para ser natural, todo o processo deve ocorrer com o mínimo de intervenção do homem. 
 
Segundo um amigo que entende muuuuuito do assunto, o primeiro passo é se vinificar a partir de uvas orgânicas. A fermentação deve ser espontânea, com leveduras das próprias uvas, não deve ser filtrado, clarificado ou estabilizado, etc. Enfim, milhares de questões que nós, como apreciadores, não temos como chancelar. O máximo que podemos fazer é acreditar no que dizem os produtores e curtir o vinho escolhido.
 
Mas se não me importo muito com isso porque esse é o tema de hoje? Por que provei um vinho há alguns dias que não se intitula exatamente natural, mas que dispensa algumas intervenções humanas e estava delicioso (e é o que me interessa).
 
HD de Hector Durigutti, um Malbec Reserva, safra 2010 de Mendoza, Argentina. As uvas passam por maceração a frio e fermentação com suas próprias leveduras durante 18 dias. Após, passam por fermentação malolática em barricas americanas e mais 10 meses “apurando” em barricas americanas e francesas. Levemente turvo, denso, com nariz um pouco rústico, mas boca afinadíssima, com toques de especiarias muito sutis.
 
Se todo o processo foi natural eu não sei. Não notei nada de diferente quanto aos “não naturais”, apenas achei um belo vinho que merece ser recomendado e que marcou nossa comemoração tardia do Malbec World Day.
 
E como diz Luciano Percussi em sua obra “É vinho, naturalmente. Em defesa do vinho orgânico e biodinâmico”:  “No fim as opiniões serão divididas, o que será um bem para o vinho que sempre fez, faz e sempre fará discutir os homens”. 
 
Até a próxima taça, Keli Bergamo. 

2 comentários

Sabrina 25 de abril de 2016 - 00:25

Se passou por fermentação malolática não-natural, ou seja, induzida, já não é considerado 100% orgânico, não?

Keli Bergamo 25 de abril de 2016 - 10:00

Bom dia, Sabrina! Obrigada pelo comentário.

Não necessariamente, pois as bactérias lácticas também podem ser "indígenas" e a malolatica pode acontecer naturalmente, sem estimulação.
A Escola de Enologia de Bordeaux tem, inclusive, um estudo demonstrando que é mais comum acontecer a malolatica espontaneamente do que por intervenção.

Quanto a esse vinho especificamente não há informação de a malolatica ocorreu por adição de bactérias láticas ou não.

Um abraço, Keli Bergamo

Os comentários estão fechados.

Posts relacionados

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.